11 de agosto de 2013

"Moonrise Kingdom"

Aviso: Cuidado para eleger seu filme favorito.
Eu como tentativa de ser amante de cinema considero impossível fazer tal eleição, o máximo que faço é eleger filmes em suas respectivas categorias, ou fazer aqueles Challenges que são tão comuns aqui no blog. Mesmo nos Challenge, tenho certeza que, se eu refizer depois de dois dias, as respostas serão diferentes.
Eleger um filme favorito diz muito da sua personalidade porque não é simplesmente um filme ótimo do seu ator/diretor favorito e que recebeu críticas positivas geralmente não é, é o filme que te emocionou e que, de alguma forma, te fez ter uma certa empatia. Há, claro, inúmeras exceções, mas em geral, nossos filmes favoritos são de personagens que se assemelham conosco ou que a situação imposta para ele faça com que nos lembre algo.
Quando me falaram “Moonrise Kingdom é meu filme favorito ever”, fui correndo para assistir a fim de conhecer a pessoa melhor.


Moonrise Kingdom é de 2012 e dirigido por Wes Anderson. Apesar do elenco prestigiado, as protagonistas são duas crianças. É um risco trabalhar com criança, mas acho que nesse filme não ficou tão notável a atuação devido ao jeito que o diretor filmou tipo, acho que era pra ficar ruim mesmo. Um exemplo é a cena bizarra da praia que Lucy e Shakusky se beijam e ocorre aquele diálogo de “Você sabe beijo francês?” e “acho que meus peitos vão crescer mais”.
O filme tem a mesma fotografia que a animação do mesmo diretor, O Fantástico Sr. Raposo, com cenas ‘banais’ mal cortadas e ângulos mal ajustados para dar um ar de retrô ou algo parecido. Isto é claramente notável quando aparece o narrador fazendo uma espécie de documentário da ilha e do acontecido, ele começa uma frase, corta dez segundos, ele aparece em outra cena para terminar. Achei desnecessário usar esse recurso para dar um ar de amador.


A cor do filme inteiro é meio sépia, com ar de antigo, amarelada, não sei explicar. O intuito acho era para ser original, para ser possível distinguir seu filme pela fotografia (capacidade que não tenho, mas que com ele foi perceptível). 
Falando em fotografia, a cor é algo muito característico e pertinente em Moonrise Kingdom, como nas cenas do telefone, onde ele contrapõe os dois lados da linha. Uma das primeiras ligações é com os pais de Shakusky em uma casa toda trabalhada nos cinquenta tons de amarelo aparentando uma casa feliz, mas que não tem receio de rejeitar um filho adotivo. Depois teve uma ligação com a linda Tilda Swinton, onde a cor muda completamente para os tons de preto, sombria.


Senti uns desconfortos com algumas coisas que aconteceram no filme, como o raio que Shakusky recebe e o seu final, sendo adotado pelo Capitão Sharp, papel de Bruce Willis, já que os dois nunca tinham sequer conversado antes (no filme) e seu papel foi pouco explorado para ser tão significativo assim.Quanto ao Edward Norton, não sei se é porque só consigo associar ele à Clube da Luta (já que não vi outros filmes dele) que achei seu papel aqui meio apagado. A cena que ele simplesmente chega e arrancam o distintivo dele acontece da forma mais passiva do mundo e logo após isso ocorre a cena da água da represa e, para mim, me passou a mesma impressão. Não sei se ali era pra ser o climax do filme, mas não senti isso. Na verdade, não senti tensão em nenhuma parte.


Mesmo com a presença de Bruce Willis, Edward Norton e Tilda Swinton, o filme não é conhecido e, embora não seja ruim, só é reconhecido pelos fãs do Wes. Acredito que seja pela enorme quantidade de crianças e por, propositalmente, não se encaixar no estereótipo hollywoodiano. Mesmo assim, o filme tem, aparentemente, uma fan base digna.
A pessoa que disse que este é seu filme favorito é escoteira e isso comprova minha teoria ali de cima da empatia com o filme. Para mim, o filme não é ruim, mas está longe da minha lista de favoritos.

Me digam seus filmes favoritos!
That’s all xx

Nenhum comentário:

Postar um comentário