11 de maio de 2013

Por que ver os clássicos: Abril



Fico feliz em informar que mês passado consegui assistir vários filmes, inclusive para este challenge. O post tá atrasado devido as minhas provas e trabalhos. Bom, sem mais delongas, minha lista de abril é:

Alphaville (idem) Jean-Luc Godard. 1965.
Eu tava muito receosa em assistir um filme do Godard e ainda bem que escolhi esse pra começar. Alphaville tem tudo que eu gosto: utopia, crítica a nossa sociedade, ação e um final digno (na minha opinião). Vou colocar um quote que adorei desse filme:

Lemmy Caution: This isn't a bible, this is a dictionary!
Natacha Von Braun: Aren't they the same in the outlands?
(IMDb)


Acossado (À Bout de Souffle) Jean-Luc Godard. 1960.
Ao contrário do que disse do primeiro filme que vi do Godard, não achei graça nesse. Mais famoso e ‘conceituado’, achei tão sem sal e ainda não achei o sublime que minha professora de Literatura Brasileira tanto disse. Paciência.

Cinema Paradiso (Nuevo Cinema Paradiso) Guiseppe Tornatore 1988. Ganhador do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.
Ah, que filme lindo... Ver a evolução de Salvatore (e a do cinema) é uma delícia. Extremamente triste, o filme é completo. Não sei porque demorei pra ver (aposto que falarei isso aos próximos da minha lista).

Vítimas de Tormenta (Sciuscià) Vittorio de Sica. 1946. Ganhador do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.
Gostei dos outros filmes do Vittorio de Sica que vi e esse me chamou a atenção pela sinopse. Adorei também, embora tenha sentido falta de um final mais esclarecedor, tive algumas perguntas que não foram respondidas. Mas é sensacional do mesmo jeito.

Nosferatu (idem) F. W. Murnau 1922.
Fazia taaanto tempo que queria assistir esse filme e finalmente o fiz. É difícil analisar a qualidade porque tenho que tentar voltar pra 1922 e imaginar o quão revolucionário é toda a produção, já que é o primeiro filme do gênero. Não foi fácil, porque comparando com toda a tecnologia de hoje, é fraco. Mas é impressionante o efeito que fizeram com poucos recursos.

A Montanha dos sete abutres (Ace in the Hole) Billy Wilder. 1951.
Sem dúvidas nenhuma, o melhor filme dessa pequena lista. É excepional. Vi por causa de Teorias do Texto, mas meu irmão já tinha comentado sobre o filme e não me arrependi de ter visto. Há várias espécies de circo atualmente e esse filme dá um tapa na cara de todos os sensacionalistas que existem dentro de nós.

A Noite Americana (La Niut américaine) François Truffaut. 1973. Ganhador do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.
Sinceramente, esperava mais. Mesmo assim, Truffaut ainda tem créditos comigo pelo belíssimo “Fahrenheit 451”. É interessante saber os behind the scenes, mas em quesito enredo não achei tão excepcional.

Minhas opiniões ficaram curtas esse mês devido a correria, mas bom, com exceção deAcossado”, recomendo todos como se fosse esse o propósito do post.
That’s all xx

Nenhum comentário:

Postar um comentário